a CONDe
Como funcionamos?
“A nomenclatura veio só depois. As coisas evoluíram de maneira muito natural.
Desde o começo, essa é a forma que preferimos nos organizar”
Mario Kaphan, co fundador da Vagas, empresa de
gestão horizontal que conta com 160 colaboradores

No caso da CONDe, não foi buscada nenhuma nomenclatura para o nosso modo de organização, e essa é a forma como preferimos nos organizar atualmente, não desde o princípio ;)

Os fundamentos que regem a organização da CONDe SP são inspirados em modelos de organizações horizontais, orgânicas, holocráticas e até mesmo em princípios caórdicos. O processo que nos trouxe à estrutura que temos hoje foi bastante orgânico e, citando Mario Kaphan novamente, aqui “cada um faz o que quer, mas todos têm a ver com isso”.

Atualmente a CONDe SP se divide em 4 principais núcleos:
Criação: É o núcleo que conduz a tradução do conceito na produção da parte visual de tudo o que fazemos, desde o material  impresso que vocês encontrarão no N SP 2015 à nossa identidade visual, site e templates dos nossos posts.
Comunicação: Responsável por conduzir a construção da imagem do encontro e da comissão, eles alimentam todas as nossas redes sociais e também pensam nossas estratégias de divulgação. Também são os principais encarregados da comunicação externa do N SP com os encontristas e coordenações.
Conteúdo: Principal condutor do desenvolvimento e manutenção do conceito durante todas as atividades do evento, também se engaja fortemente na elaboração das ações da CONDe.
Recursos: Responsável pela infraestrutura do evento, gestão de recursos e administração financeira em geral.

Na fase de Pré-CONDe, onde a estrutura que tínhamos era diferente, existiu também o núcleo de Política, responsável pela pesquisa, apuração e fomento do movimento estudantil em São Paulo e responsável por realizar a interface com o Conselho Nacional dos Estudantes de Design. Hoje, passada a fase de pesquisa, as funções que eram desempenhadas pelo núcleo são diluídas entre todos os membros da CONDe, assim como muitas outras questões, que são de responsabilidade de Grupos de Trabalho (GTs), criados para lidar com especificidades, podendo ser dissolvidos depois de terem cumprido suas tarefas. Idealmente os GTs são formados por uma pessoa de cada núcleo interessado no objeto de trabalho do grupo, mas existem diferentes formações.

Alguns dos GTs existentes são:
GT Organização: Responsável pela articulação do planejamento dos núcleos, que garante que não esqueceremos de fazer nada e que tudo vai acontecer no seu devido tempo.
GT Sustentabilidade: Responsável pela pesquisa em sustentabilidade, o GT transmite seus conhecimentos para os núcleos, que vão incorporando os resultados no seu trabalho.
GT Descalouramento: Responsável pela realização da recepção unificada dos calouros de design de São Paulo – atividade criada pela CONDe que teve sua primeira edição no ano de 2014.
GT Festas: Quem cuida de todas as festas realizadas pela CONDe, antes, depois e durante o N SP.
Outros GTs: GT Editais de Captação de Recursos, GT 25 anos de N, GT Lançamento do Projeto, etc.

Toda essa estrutura se encontra em dois principais espaços:
Reuniões Gerais (RGs): Além das reuniões de núcleos e GTs, que acontecem de acordo com a demanda, semanalmente acontecem RGs no espaço Viveka. As pautas dessas reuniões são montadas ao longo da semana: existe uma estrutura básica (onde está previsto um momento de depoimentos pessoais, feedback de núcleos/ GTs/reuniões externas e calendário dos próximos dias) e as pautas específicas, que podem ser inseridas por qualquer membro da CONDe ou indicadas por reuniões gerais anteriores.

Imersões: Costumam durar um final de semana, acontecendo geralmente na casa de alguém. Imersões acontecem quando precisamos nos debruçar sobre questões que são grandes demais para Reuniões Gerais. Geralmente são solicitadas por um núcleo, GT, ou até mesmo pela CONDe toda. É um espaço de trabalho mais intenso do que de costume, mas também de muita integração, chegando a ter festas em algumas edições.

A transição para esse formato apresentado aconteceu aos poucos. Nesse processo recebemos diversas críticas em relação às nossas opções organizativas e amadurecemos muito. Pode-se dizer que houve um marco no amadurecimento da nossa organização: uma pesquisa que fizemos, que nos deu força e o embasamento que permite funcionarmos do jeito que funcionamos.

Se você ficou curioso para saber mais sobre o nosso jeito de nos organizar, entre em contato! Logo mais postaremos um condensado de toda a pesquisa que fizemos.